Imagem de dois meninos sentados na grama observando um livro
(Pixabay)

Com disciplina e periodicidade, o ser humano pode aprender qualquer coisa que desejar. Isso acontece porque a nossa massa cerebral é maleável. Por esse motivo, maioria das pessoas consegue assimilar um novo idioma, por exemplo.

No entanto, o cérebro de uma criança, antes de 6 anos, está em um momento ideal para o bilinguismo orgânico. Mas, no cenário escolar, o que acontece é que muitos estudantes recebem uma carga elevada de informações e responsabilidades que vão além das disciplinas de matemática e português.

Habilidades cognitivas

Então, como resolver essa dificuldade de atenção dos alunos que são expostos a tanta informação? E também ajudá-los a irem bem nas escola? Uma maneira interessante de ajudar essa problemática é despertar as habilidades cognitivas dos estudantes.

Augusto Jimenez, psicólogo e gestor educacional da Minds Idiomas, realizou uma pesquisa nas 70 unidades da rede. Ele obteve o resultado analisando mais de 1.000 alunos, por seis meses, e o resultado foi palpável. Mais de 60% dos estudantes melhoraram o desempenho escolar no último semestre de 2017. Além disso, foi feito um trabalho de aconselhamento aos alunos, os ouvindo toda semana. Constatou-se que além da melhora escolar, nas notas, houve uma elevação na autoconfiança e na habilidade de escuta.

Interdisciplinaridade e conhecimentos relacionados

Isso acontece porque ao aprender um novo idioma a mente é exercitada de uma maneira diferente do comum. O que faz com que as conexões neurais entre o conteúdo de outras disciplinas se unam com os conhecimentos que este aluno teve com um segundo dialeto. Os estudantes conseguem resolver testes analíticos e visuais em menos tempo e com redução de erros “Conforme as crianças de 9 a 13 anos foram passando de nível nos testes de inglês percebemos que estavam mais desenvoltas na capacidade lógica argumentativa. Essa rapidez na solução de problemas é o que interferiu nas demais matérias escolares”, conta Jimenez.

Além de novos idiomas, é muito importante o ensino lúdico para o desenvolvimento dos alunos. O uso de jogos, atividades dinâmicas, diálogos e o envolvimento da família são alternativas muito interessantes para esse processo.