Raízes Renato Nogueira

Na contramão de alternativas universais, princípios totalizantes e do elogio ao amadurecimento, essa formação propõe modos infantis para o enfrentamento de grandes questões existenciais. Ou seja, infancializar os percursos da vida. As suas bases percorrem desde o sistema filosófico Wolof, passando pelos cosmosentidos Dagara e a cosmologia judaico-cristã. E vai até estudos contemporâneos de crianças e infâncias.

LEIA MAIS: A necessidade do “nada” na vida das crianças

Um dos pressupostos é de que a infância não deve ser compreendida apenas como uma fase da vida. Mas, sobretudo, como uma condição de experiência humana, um sentido catalisador que permite reinventar o mundo. É um percurso interessado em recusar o desenvolvimento. Mas, assumir o infantil envolvimento com a mais-valia de vida. Uma atitude responsável e comprometida com a necessidade de resistir ao esquecimento da infância, ao avanço da adultidade e às utopias futuristas que apostam no amanhã.

Sobre a formação

A formação é mediada por Renato Noguera. Ele foi iniciado na tradição Griot pelo avô e criado no tradicional bairro de Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro. Em sua pesquisa sobre a infância, ele lança o olhar para a arte e educação. Assim, ele articula artes visuais, dança, literatura, música e teatro às práticas educativas com crianças.
 

O percurso acontece nos dias 10 e 11 de novembro, na Casa do Sentir, em SP. Acesse o site do e saiba mais sobre a programação, inscrições e outras informações.