Entrelinhas e laços: muito prazer

Sou uma professora de Língua Portuguesa de uma escola da rede de ensino estadual de Mato Grosso. Refaço. Sou uma Maria cheia de angústias, que se transformam em coragem, todo dia-feira que atravesso os portões de minha escola cuiabana na esperança de vivenciar o aprendizado de forma genuína, criativa e emancipadora em conjunto com meus alunos.

Sou sonhadora. Sou realista. Sou recebida toda segunda-feira com um abraço do Henrique, dois chicletes da Laura e vários sorrisos, alguns mais tímidos outros escancarados. Dia desses fui recebida com uma carta endereçada para “minha professora mais querida desse colégio”. “Ti amuh professora”.

Olho pra sala de aula como se fosse uma grande narrativa complexa. Cheia de protagonistas, todos narradores personagens. Nas entrelinhas, busco os espaços ainda não percorridos, novos laços afetivos, convites para a descoberta do saber. Do duvidar e do questionar. Leva tempo pra construir e contar essa história cheia de aventuras e desventuras.

Você pode acompanhar aqui no blog do “Caindo no Brasil” os capítulos dessa minha jornada. Relato minúcias inspiradoras, tropeços entre as trocas de sala, conquistas menores que a do ouro, mas valiosas como a água. Um registro extracurricular do pouco tudo que me move diariamente e me faz acreditar que apesar de tantos sujeitos ocultos, da falta de coerência e de concordância da educação pública brasileira nós continuaremos diariamente lutando por exclamações!