A escola brasileira que tem disseminação da cultura de paz como um princípio

“Em vez de incentivar os alunos a apropriarem-se dos tesouros intelectuais descoberto pelos outros, devemos capacitá-los a realizar por conta própria o processo de descoberta e da invenção”, defendeu o educador japonês Tsunessaburo Makiguchi há quase cem anos. No Brasil, um colégio segue seus princípios a partir de uma educação humanista e baseada nos ideias de Cultura de Paz e Cidadania Global.

Foi baseado nas ideias de Makiguchi e Josei Toda que o ensino Soka foi fundado, em 1967, pelo pacifista Daisaku Ikeda. Inspirado também pelos valores e princípios da filosofia humanística do budismo Nichiren, da paz, dos direitos humanos e da dignidade da vida, a filosofia da educação desenvolvida a partir da premissa que o objetivo-fim da educação é a felicidade dos estudantes.

O ensino Soka se espalhou pelo mundo a partir de diversas escolas e de duas universidades, no Japão e nos Estados Unidos. Em 2001, essa pedagogia chegou em terras brasileiras, abordando da Educação Infantil ao Ensino Fundamental II. Em 2017, iniciaram o Ensino Médio, que está em processo de candidatura para oferecer um currículo internacional pela International Baccalaurate Diploma Programme.

Visitamos a escola e encontramos um prédio com projeto desenvolvido pela Fundação Vanzolini para ser totalmente sustentável. Inaugurado em 2017, o cotidiano escolar com muito afeto entre estudantes, professores e funcionários é o que chama mais a atenção. Conversamos com James Yamauti, diretor do Colégio Soka do Brasil:

“Quando falamos de valores dentro do Colégio Soka, trabalhamos com a proposta de paz em sala de aula. A origem do colégio Soka vem há quase um século, onde Makiguti desenvolveu a defesa que a criança tem que ser feliz enquanto estuda. Paz tem um amplo significado e é abordada de uma maneira diária pelos alunos e professores a partir de temas cotidianos trazidos pelos próprios estudantes”. E reforçou como o trabalho com esses princípios apoia a formação de cidadãos globais que serão líderes de transformações positivas na sociedade.

James também ressaltou a importância da formação dos jovens para o mundo e não apenas para o sistema brasileiro de vestibulares. “Nós ensinamos nossos alunos para que eles sejam o que quiserem ser. Para que eles tenham oportunidades de estudar aqui, ou em qualquer outro lugar, como nas Universidades Soka da Califórnia ou de Tóquio.”

Além de toda a grade curricular proposta pelo Ministério da Educação, o colégio tem momentos específicos para a formação humana:

  • No Ensino Fundamental I, a disciplina “Hábitos da Mente” desenvolve a autoestima e a capacidade de pensamento positivo dos estudantes, além do companheirismo e da noção de coletivo.

  • No Ensino Fundamental II, alunos estudam com a orientação de educadores e apoio de colegas no momento “Study Skills”.

  • Já o Ensino Médio integral integra matérias como Política Global, Gestão de Negócios, Sistemas Ambientais e Sociedades, Teoria do Conhecimento, Matemática, e Proficiência Internacional da Língua e Literatura Portuguesa; todas ministradas em inglês e com foco principal na formação de um cidadão global e da disseminação da cultura de paz.

Quer aprender mais sobre a Educação Soka?

Contamos mais sobre o trabalho de Makiguti, gravamos entrevistas exclusivas com o diretor e com uma mãe de ex-aluno do Colégio Soka e compartilhamos ferramentas práticas para você impactar seus alunos a partir do princípios da Educação Soka.

Assine o Drops Caindo no Brasil, uma micro-jornada de aprendizagem para você se se aprofundar cada vez mais nas alternativas educacionais brasileiras a partir de conteúdos exclusivos. São vídeos, podcasts e textos em PDF produzidos pelo Caindo no Brasil e enviados semanalmente para o seu smartphone via WhatsApp.